Foto ilustrativa:

Jesus nunca existiu, apenas um plágio religioso
na verdade uma cópia da lenda do deus Horus

CRISTO É KRISHNA
Qual é o significado da palavra cristo?
Cristo vem do grego christos, significa “o ungido”
Christos é a versão grega da palavra “Krishna”
Portanto, Krishna ou Cristo, o nome é o mesmo
O cristão pode glorificar tanto o cristo como o Krishna

Testemunho do criador do Cristianismo e da Bíblia:

"O mais antigo dos manuscritos existentes no novo testamento é datado da metade do século IV".
(Enciclopédia Católica, op. Cit., Pp. 656-7)

[Isto já prova o dizemos, que é confirmado pelo próprio novo testamento, que seus escritos foram a partir do seculo III]

Por qual razão não havia o novo testamento até o quarto século? Porque simplesmente eles não foram escritos, daí encontramos a maior falsidade de todos os tempos.


O engano do sacrifício


O povo do passado fazia sacrificio? Sim. Ordenado por quem? Pelos religiosos da época.

A lavagem cerebral já começa com Abel e seu sacríficio.

Sacrificio era uma rotina de feitiçaria, aonde um animal tomava o lugar do pecador e pagava a pena pelo seu pecado.

Um deus que necessita do sangue de animal para liberar perdão para um ser humano, não passa de um moloque da vida.

Porque tal deus aceitou que Jefté sacrificasse a própria filha?
Não seria uma contradição? Um deus que é contra sacrificios humanos e ao mesmo tempo é a favor? Certamente que existe algo errado.

.

Aí está algo repugnante, com esta lavagem cerebral o povo foi preparado pra acreditar na farsa do calvário:

Levítico 4:4-6


E trará o novilho à porta da tenda da congregação, perante o Senhor (BAAL), e porá a sua mão sobre a cabeça do novilho, e degolará o novilho perante o Senhor (BAAL).

Então o sacerdote ungido tomará do sangue do novilho, e o trará à tenda da congregação.

E o sacerdote molhará o seu dedo no sangue, e daquele sangue espargirá sete vezes perante o Senhor (BAAL) diante do véu do santuário.

Também o tal sacrificio de Abraão e Isaque, que é um prato feito para pregadores, aonde compararam ao "cordeiro jesus cristo"

O ensinamento que a redenção era através do sangue é antiga, no passado era um animal, e no presente é um ser humano.
Alem das feiçaria ainda restam doutrinas negras, como:

A feiticeira não deixarás viver (Êxodo 22, 18)

Por causa disto, muitas mulheres na idade média foram queimadas vivas porque foram acusadas de serem buxas.

Aquele que ferir de morte um homem deve ser morto (Ex.21, 12), e o mandamento "Não matarás?"

Se um homem ferir seu escravo ou sua escrava com um bastão, de modo que ele morra sob sua mão, será punido.

Se o escravo, porém, sobreviver um dia ou dois, não será punido, porque ele é propriedade do seu senhor." (Ex.21, 21-22)

[Aqui um incentivo, pode bater desde que não mate]

Quem deu esta lei? Religiosos, entre os tais, Moisés

Portanto falsas doutrinas, leis que proclamam salvação através do sangue surgiu dos religiosos satanistas.
Primeiro Concílio de Nicéia

Criação do Jesus Cristo e novo testamento
Proclama a igualdade de natureza entre o Pai e o Filho.
Compõe o Credo Niceno.
Data: 20/05 de 325 Papa: Silvestre I (314-335)


Temas principais:
Criar um deus padrão para o Império Romano, cuja natureza seria igual ao Criador, e também igual a Ele.

Decretar que tal deus seria gerado, não criado, consubstancial ao Pai.

Fixar a data da Páscoa a ser celebrada no primeiro domingo após a primeira lua cheia da primavera.


Portanto, a páscoa é uma festa móvel, celebrada no domingo seguinte à primeira lua cheia da primavera.

Essa data foi determinada pela Igreja Católica no Primeiro Concílio de Niceia, realizado no ano de 325.

É isto uma realidade ou não? Não só a pascoa é uma norma como também o jesus cristo e a trindade.

Algum cristão seja catolico ou protestante ousa contrariar as normas Romanas?

Até o Primeiro Concílio de Nicéia, a aristocracia romana adorava praticamente dois deuses gregos, Apolo e Zeus.
Roma não tinha um deus próprio antes de Constantivo criar o deus padrão Hesus Krishna. (Jesus Cristo)

    


Deuses lendários irmãos gêmeos do Jesus Cristo:

Horus (egípcio) Mitra (persa – romano) Krishna (hindu – índia) etc..

E o jesus é apenas uma cópia destas lendas com algumas sostificações.

O verdadeiro conto do "vigário", que engana hà séculos.

Pequenos trechos da lenda de Krishna, que foi usado por Constantino como sobrenome do Jesus:
[Fonte: Baghavadan, um dos Puranas, livro sagrado dos hindus]

Concepção


Ele será chamado Krishna, isto é, Azul, porque será filho dos céus. Sábios e patriarcas, retornai à terra para adorá-lo; fazei-vos pastores, porque será um pastor.”

Nascimento


Kansa, então, aprisionou-a, mas quando chegou a hora do nascimento de Krishna a prisão foi aberta por si mesma e o Menino-Deus transportado ao estábulo de Nandem, no meio dos pastores.
Brama, Shiva e od demais deuses acorreram e adoraram-no naquele humilde asilo e o cobriram de flores. Os Anjos Gheadarouver cantavam, dançavam e davam concertos com os mais melodiósos instrumentos.

Massacre das crianças


Kansa, torturado pelo temor, enfureceu-se e ordenou em todos os seus estados a degolação dos meninos recém-nascidos. Somente o jovem Krishna escapou aos assassinos.

Infância


Histórias da infância é semelhante aos evangelhos apócrifos do jesus cristo.

Batismo


Devendra disse:

“Tenho ordem de Brama de consagrar-te e reconhecer-te Rei dos Brâmanes, pastor das vacas e senhor de todas as que cultivam a paz e a mansidão.” Depois se levantou, deu-lhe a santa unção e chamou-o de pastor dos pastores.

Transfiguração


Acrura veio até ele com o carro e Krishna não se recusou a subir nele. O rio Emuney achava-se no caminho e Acrura, tendo descido para se banhar, viu Krishna no espelho das ondas que resplândecia de pura claridade. O deus tinha na fronte um diadema triplo. Seus quatro braços estavam carregados de braceletes de pérolas. Olhos resplandescentes brilhavam como pedrarias no corpo todo e nas mãos estendiam-se sobre todas as partes até os limites do Universo. O coração de Acrura modificou-se quando ele voltou e viu Krishna tranquilamente sentado em seu carro.

Entrada triunfal na cidade


Então todos os habitantes da cidade acorreram-lhe a oferecer-lhe presentes. Vasos de ouro e prata, as mais preciosas jóias semeavam o caminho que ele deveria percorrer

Discurso antes da paixão


Krishna ameaçou os Yadawers com uma destruição próxima e aconselhou-os a abandonarem a cidade, escapando aos tormentos que iriam sofrer; porém não o escutaram e, tendo-se dividido, armaram-se de paus pontiagudos como facas, nascidos da barra de ferro reduzida a pó e atirada às águas.

Morte e Ressurreição


Krishna tombou sobre as raízes do sarçal; um de seus pés estava colocado sobre o outro e duas de suas quatro mãos estavam estendidas, as demais, unidas para a preçe. Então alcançou-o uma flecha lançada ao acaso por um caçador; ela veio cravar-se no sarçal aos pés unidos de Krishna. Era a vingança final da tirania e da morte. Mal expirara quando os tronos injustos desabaram por si mesmo; o corpo dele desapareceu rapidamente. Logo foi encontrado como um milagre em Geganadam.

Religião e o Império Romano


Apesar de adorar os deuses gregos Apolo e Zeus, também idolatravam Júlio César César foi divinizado pelo Senado Romano após sua morte (15 de março de 44 aC), era reverenciado como " Julius Divino".
A palavra "Salvador" foi anexado ao seu nome, e seu significado literal "aquele que semeia a semente", ou seja, ele era um deus fálico.

Júlio César foi reverenciado como "Deus salvador universal manifesto na vida humana , " e seu sucessor Augustus foi chamado de "Deus ancestral e Salvador de toda raça humana"
(O Homem e seus deuses, Homer Smith, Little Brown & Cia., Boston, 1952).

Imperador Nero (54-68) cujo nome original era Lúcio Domício Enobarbo (37-68), foi imortalizado como o "Salvador da humanidade".

Aliás falando em Nero, ensinam por aí que ele exterminou cristãos na arena, entretanto isto não foi uma realidade:

1 - Não existia cristão em tal época.

2- Não existia o coliseu


O "Julius Divino", como o Salvador Romano e "Pai do Império" foi considerado "Deus" entre a população romana por mais de 300 anos.
Ele era a divindade em alguns textos de padres ocidentais reconhecido nas escrituras orientais.
A intenção de Constantino no concílio de Nicéia era criar um deus completo e totalmente novo para o seu império, aonde iria unir todas as facções religiosas sob uma só divindade.

Religiosos foram convidados a discutir e decidir quem seria o novo Deus. Discutiram entre si, expressando motivos pessoais para a inclusão de escritos particulares que promoveriam os traços mais delicados desta divindade especial.

Durante a reunião, os debates ficaram acalorados, e os nomes de 53 deus foram colocados sobre a mesa para discussão. "Entretanto nenhum deles foi escolhido pelo conselho, e esta discussão durou cerca de um ano e cinco meses e não foi votado."

(O Livro de Deus Eskra, tradução Prof. SL MacGuire, Salisbury, 1922, capítulo XLVIII, n.os 36, 41).
No final desse tempo, Constantino voltou para a reunião para descobrir quais os presbíteros que não concordaram com a nova divindade, e trouxe uma lista resumida com cinco deuses que foram:

César - Krishna - Mitra - Horus - Zeus


Fonte: (História Eclesiástica, Eusébio, c. 325)

Constantino foi o espírito dominante em Nicéia, e ele finalmente escolheu o novo deus, envolveu facções britânicas e decidiu que o nome do deus

Hesus deveria se unir ao deus salvador Oriental Krishna

(Krishna é sânscrito (linguagem dos deuses) para Cristo).
E assim Hesus Krishna foi o nome oficial do novo deus padrão do Império Romano.
Hesus Krishna foi levado a votação e foi o mais votado (161 a 157) então as duas divindades se tornaram um só deus.
Constantino promoveu um encontro oficial sobre este decreto e o senado Romano aprovou legalmente estas duas divindades como sendo uma.

Pronto, um novo deus estaria sendo proclamado oficialmente por Constantino. Fonte: (Acta Concilii Nicaeni, 1618).

Esse ato completamente política de divinização colocou Hesus e Krishna juridicamente como um deus romano, como um composto individual.
Durante a tradução HESUS evoluiu então para IESU, e KRISHNA atualizado no grego ficou CHRISTO (latin Christi), é assim até hoje.

A circulação da letra "J" em alfabetos deu-se no início do século XVII.

Diante disso, João Ferreira de Almeida ao traduzir este novo testamento deixou escrito o seguinte nome: IESU conforme impresso na bíblia em 1681 como se vê na foto abaixo:



Na outra foto abaixo veja que o nome já mudou para JESU e o autor permane João Ferreira de Almeida, porém não foi ele, igualmente hoje, você abre a bíblia e lá se encontra: Tradução: João Ferreira de Almeida.



Em outubro de 1691, Almeida morreu. A tradução foi completada em 1694 por Jacobus op den Akker, pastor calvinista holandês.
Depois de passar por muitas mudanças, foi impressa na Batávia, em dois volumes: o primeiro em 1748 e o segundo, em 1753.
JESU evoluiu para JESUS (com o acréscimo da consoante S)

Portanto o nome Jesus não foi dado por um anjo coisa nenhuma, o autor foram os religiosos.

E assim surgiu o baal Jesus Cristo, fruto da união de dois deuses lendários, o Jesus Cristo é uma lenda, mas o histórico da sua criação existe, está registrado.

Como foram criados os novos escritos

Sobre a criação dos novos escritos, Constantino incumbiu a Eusébio de organizar a recompilação de uma coleção uniforme de novas escrituras desenvolvidas através dos principais textos religiosos apresentados durante o Concilio.

Suas instruções eram:

"Verifique estes livros e o que for bom retenha, mas os que forem ruim jogue-o fora.

Tudo que for bom em um livro, junte-o com o que é bom em outro livro, e o que for montado será chamado o Livro dos Livros.

E será a doutrina do meu povo, será recomendando a todas as nações, e não haverá mais guerra por causa de religião".

(Realmente, várias nações falam a mesma "lingua" (grifo meu)

Fonte:
(Livro do Deus Eskra, op. Cit. Capítulo XLVIII, parágrafo 31)

Eusébio de posse dos "contos lendários de todas as doutrinas religiosas", juntou-os em uma unidade, usando os mitos padrão do deus dos manuscritos exemplares dos religiosos clérigos. E os uniu as histórias "sobrenaturais" do Deus Mitra e Krishna com crenças britânicas da Caldéia, que efetivamente entrou para as orações dos sacerdotes orientais e Ocidente "para formar uma nova crença universal."

Constantino acreditava que estes livros cheio de mentiras manteria as facções religiosas sob um só comando religioso.[ Praticamente acertou]

"Cinquenta cópias foram escritas em pergaminho de forma legível por escribas profissionais em sua arte."

"Essas ordens", disse Eusebio ", foram cumpridas como o início imediato do trabalho, e enviamos a Constantino os volumes magníficos com detalhes elaborados e encadernados."

Fonte:
(Vida de Constantino, vol iv., P. 36).

Assim estes novos escritos foram criados e a primeira menção foi registrado no histórico no ano 331

"Constantino disse que os livros foram escritos em conformidade".

Fonte:
(Vida de Constantino, vol iv., Pp. 36-39).

(Qual deles? grifo meu)

Com suas instruções cumpridas, Constantino decretou, que o novo livro seria chamado a "palavra do Deus Salvador Romano"

[Palavra do Deus Salvador Romano? Quem puder entender, entenda]

Fonte:
(Vida de Constantino, vol. Iii, p. 29)

E seria oficial para todos os que pregavam no Império Romano.

Ele ordenou que todos os manuscritos mais antigos de sacerdotes, e os registros do conselho fossem queimados.

Declarando que qualquer que fosse encontrado com outros escritos escondido deveriam ser decapitados
Muitos escritos anteriores ao Concílio de Nicéia, já não existia, exceto para uns poucos fragmentos que sobreviveram. Alguns arquivos sobre este conselho também sobreviveu, e forneceu ramificações alarmantes para a Igreja. Alguns documentos antigos dizem que o Primeiro Concílio de Niceia terminou em meados de novembro do ano 326, enquanto outros dizem que a luta para estabelecer um deus era tão feroz que se espalharam por quatro anos e sete meses desde a sua criação em junho 325.

Fonte:
(Segredos dos padres cristãos, op. cit.).

Independentemente de quando terminou, a selvageria e violência ficou oculta sob o título bombástico, "Grande e Santo Sínodo", atribuído pela Igreja no século 18, no entanto os clérigos anteriores expressa uma opinião diferente.

Temas de alguns concílios que relacionei, não todos.

Normas que foram criadas pelo catolicismo para serem

compridas por todos os cristãos, sem excessão.


I Concílio de Constantinopla

Data: maio a junho de 381 Papa: Damaso I (366-384)

Temas principais:
Afirma a natureza divina do Espírito Santo no Credo niceno-constantinopolitano.
Concílio de Éfeso

Data: 22/06 a 17/07 de 431 Papa: Celestino I (422-432)

Temas principais:
Cristo é uma só Pessoa e duas naturezas
Definição do dogma da maternidade divina de Maria como mãe de deus

Concílio de Calcedônia

Data: 08/10 a 1º/11 de 451 Papa: Leão I, o Grande (440´461)

Temas principais:
Afirmação das duas naturezas na única Pessoa de Cristo, gerado do Pai antes de todos os séculos segundo a divindade, e nesses últimos dias, para nós e para nossa salvação, nascido da Virgem Maria, Mãe de Deus, segundo a humanidade.
Um só e mesmo Cristo, Senhor, Filho Único que devemos reconhecer em duas naturezas, sem confusão, sem mudanças, sem divisão, sem separação.
II Concílio de Constantinopla

Data: 05/05 a 02/07 de 553 Papa: Virgílio (537-555)
Temas principais:
Não há senão uma única pessoa que é nosso Senhor Jesus Cristo, Um na Trindade... Aquele que foi crucificado na carne, nosso Senhor Jesus Cristo, é verdadeiro Deus, Senhor da glória e Um na Santíssima Trindade.

Toda a economia divina é obra comum das três pessoas divinas. Pois da mesma forma que a Trindade não tem senão uma única e mesma natureza, assim também, não tem senão uma única e mesma operação.

Um Deus e Pai do qual são todas as coisas, um Senhor Jesus Cristo para quem são todas as coisas, um Espírito Santo em quem são todas as coisas

Novo testamento

Este novo testamento é cheio de contradição e de textos mentirosos, vou relacionar alguns:

Principais mentiras que detonam este novo testamento e prova a sua farsa:

No ano quinze do império de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos presidente da Judéia, e Herodes tetrarca da Galiléia, e seu irmão Filipe tetrarca da Ituréia e da província de Traconites, e Lisânias tetrarca de Abilene, Sendo Anás e Caifás sumos sacerdotes, veio no deserto a palavra de Deus a João, filho de Zacarias.
Percorreu toda a terra ao redor do Jordão pregando o batismo de arrependimento para o perdão dos pecados

Lucas 3:1-3

O ano 15 de Tibério César foi o ano 29 desta era, ou seja do calendário modificado.

1 - Mito

No tempo de Herodes o Grande não houve um sacerdote chamado Zacarias durante seu reinado.

João Batista teria morrido no ano 27, como estaria vivo no ano 29?

2 - Mito

Segundo relato de Mateus Jesus teria nascido no ano -6

O novo testamento afirma que ele iniciou um ministério com 30 anos, sendo assim foi no ano 3784 (24)

No ano 29 teria o João Batista ressuscitado para batizar Jesus?
E o Jesus foi batizado após cinco anos de ministério?

Somente cai nesta farsa quem deixa de lado a análise para ser apenas um ouvinte, aonde aceita tudo de bom grado.

Agora o interessante: Nenhum escritor dos evangelhos cita o ano da morte do "Jesus".

Alguns historiadores dizem que foi no ano 3786 (26), logo ele estaria com 32 anos, então apenas dois anos de "ministerio".

Neste caso teria iniciado seu "ministerio" sem o batismo do João? E Pilatos já chegou crucificando?

Outros afirmam ser o ano 3793 (33), aonde ele teria 39 anos, com nove anos de "ministerio".

Neste caso, como fica o batismo de João?

Na verdade, a maioria tenta justificar estes enganos sem sucesso.

3 - Mito - versão de Lucas

Lucas 2
1 E aconteceu naqueles dias que saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo se alistasse

2 (Este primeiro alistamento foi feito sendo Quirino presidente da Síria).

Neste verso 2, diz que este foi o primeiro alistamento, houve um segundo alistamento na Judeía sendo Quirino presidente da Síria?

Já temos aí enganos, o censo não foi para todo mundo, somente a Síria e a Judéia.

O censo era uma declaração de bens para fins de cobrança de imposto, e não um alistamento pessoal, veja:

Públio Sulpício Quirino, (-51 a 21) foi um aristocrata do Império romano, membro do Senado e cônsul.

Após a destituição de Arquelau, filho de Herodes I, o Grande, Quirino chegou à Síria, enviado por César Augusto para fazer o censo dos bens com vistas a estabelecer o imposto.

Com ele foi enviado Coponio para governar os judeus, e como a Judeia havia sido anexada à Síria, Quirinio a incluiu no censo.

No início os judeus se indignaram com a notícia do censo, mas cederam porque o sumo sacerdote Joazar, filho de Boetos, os convenceu a não se opor, porém um pouco mais tarde sob o comando de Judas Galileu os judeus iniciaram uma revolta.

Nesta mentira descrita por Lucas praticamente derruba a farsa do batismo e da suposta crucificação.

Diante disso vários ligados ao cristianismo tentam justificar o escrito de Lucas, mas sem sucesso, contra fatos reais não existe argumentos.

Este censo tem registro histórico, não tem como negá-lo, veja mais uma prova:

Este um censo decretado por Quirinio ocorreu 37 anos depois que Otávio derrotou Antônio na Batalha naval de Áccio, em 2 de Setembro do ano 3729 (-31) , o que corresponderia ao ano 3766 (6).

Lucas, praticamente diz que o jesus não foi batizado por João e com pouca chance de Pilatos o crucificar.

Se dependia de ser batizado para iniciar o tal "ministerio", então ele não foi, o João ja estava morto.

E Pilatos poderia ter dito: Hei, venha até aqui para que eu possa te crucificar, pois estou sendo demitido do cargo.

Este censo se deu no ano 3766 (6), quando Arquelau saiu do cargo, e pelo relato de Lucas o Jesus teria nascido neste ano.

O mesmo lucas, afirma que o Jesus iniciou seu "ministerio" aos trinta anos

Isto então teria ocorrido no ano 3796 (36), com João já morto e Pilatos sendo demitido e chamado a Roma para prestar depoimento, e não mais voltou.

Como podem ver, o próprio novo testamento ja diz que ele é mentiroso, e o jesus, apenas um virtual, nada mais que isso.


O primeiro evangelho a ser criado foi o de Marcos, Lucas e Mateus foram escritos baseado nele, porem enxertaram "realces".

Veja a diferença: Galiléia ou Síria?

Quando Jesus de Marcos começou seu ministério galileu, ele curou muitos e "sua fama começou a se espalhar pela região circunvizinha da Galiléia " (1,28-34).

No entanto, quando o Jesus de Mateus começou seu ministério galileu, ele "curou toda doença entre o povo e sua fama se espalhou por toda a Síria " (Mateus 4.23).

Agora, uma piada: Marcos 3:6 E tendo saído os fariseus, tomaram logo conselho com os herodianos contra ele, procurando ver como o matariam.

Quem seria tais herodianos e comandados por quem? Antipas? Filipe?

Vamos levar em conta que este "Jesus" seria o filho real de Mariamne.

Nem Antipas, nem Filipe, se levantaria contra ele.

Briga de foice entre Mateus e Lucas

O primeiro evangelho foi o de Marcos, este nada diz sobre o nascimento de Jesus, ora, nascimento seria um fato importante, porque ele não relatou?

Simplesmente porque foi inventado mais tarde.

Segundo Mateus, Maria e José morava em Belém e fica grávida do Espírito Santo. Nada relata sobre a tal viagem, o nascimento se deu em sua casa, em Belém.

Mateus 2:11 E entrando na casa acharam o menino com Maria sua mãe.

Segundo Lucas, José e Maria morava em Nazaré (Detalhe, esta cidade não existia na época)

Maria recebe a visita de um anjo que diz que seria engravidada pelo Espirito Santo (Romano, diga-se de passagem).

Durante o censo de Quirino vai para Belém e o Jesus nasce em um curral.

Segundo Mateus, um anjo fala com José em sonhos e diz que sua mulher terá um filho.

Segundo Lucas, o anjo Gabriel diz a Maria que ela ficaria grávida.

Segundo Mateus, Jesus nasceu no ano 3756 (-6), de acordo com a morte de Herodes e os "assassinatos" das crianças.

Segundo Lucas, Jesus nasceu no ano 6, durante o censo de Quirino que se deu no ano 3766 (6).

Segundo Mateus, após o nascimento José e Maria fogem para o Egito por causa de Herodes.

Segundo Lucas, após o nascimento, José e Maria vão a Jerusalém para fazer a circuncisão.

Segundo Mateus, um anjo avisa José em sonhos para retornar do Egito, então resolvem morar em Nazaré (Inexistente naquela época).

Segundo Lucas, José e Maria morava em Nazaré (Inexistente naquela época), e somente viajaram a Belém por ocasião do Censo de Quirino.

Esta fuga para o "Egito", pelo jeito somente o tal Mateus sabia.

Flávio Josefo, citou vários fatos importantes sobre as atividades de Herodes, entretanto nada mencionou sobre a tal "matança" das crianças.

A genealogia do tal Jesus descrita em Mateus, é diferente da escrita de Lucas, isto prova que é uma grande invenção. Contradição é o que não falta diante dos escritos destes dois personagens.

E nenhum destes quatros virtuais, foram capazes de relatar a data do nascimento e da morte do dito cujo.

Papa Pio XII em 4715 (955) falando para um Congresso Internacional de História em Roma, disse: “Para os cristãos, o problema da existência de Jesus Cristo conciste na fé, e não na história”.

Muitos cristãos atuais repetem esta mesma frase, dizem;" O importante é a fé", e citam o trecho enganador:"A fé remove montanha".



Suposto aviso do nascimento, a mentira do anjo Gabriel

A saudação do tal Gabriel igual a um soldado Romano.
Salve, agraciada. (Lucas 1:28). “Salve Cesar".

Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.

{ Este trecho acima de acordo com o seu conteúdo foi escrito a partir do século III }

Porque será que este Gabriel ainda não sabia que a descendência de David para aceso ao trono foi cancelada na Babilonia, pois assim está escrito.

E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?

E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.

{ Este trecho acima de acordo com o seu conteúdo foi escrito a partir do século III e modificado no século IV}

Vamos analizar o que este tal anjo teria dito:

Em primeiro lugar, quem viu o tal anjo falar com Maria?
O virtual "Lucas", que teria escrito mais de um século depois?
Ou de quem Lucas teria ouvido isto?

Do Mateus????, do Marcos????, do João????

Mas voltemos ao tal anjo enrolado que de nada conhecia.
Segundo ele, Deus iria dar para o filho de Maria o trono de David, seu pai, pai ????

"Reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim".

{Falso, até hoje nenhum "Messias" está reinando na casa do tal Jacó.

Tal anjo também se esqueceu que Jacó teve seu nome mudado para Israel, ou não?

Como também o tal anjo não sabia que nos escritos antigos realizados por alguem mostra que o "Messias" seria universal, e não apenas para uma nação.}

Cristãos tentam se justificar dizendo que o reinar eternamente, se dará na volta do Jesus, pois vá esperando enquanto puder, o que os religiosos fizeram foi se livrar do abacaxi que eles criaram.

Entretanto já existia dois problemas que o tal anjo desconhecia:

Primeiro: O tal Jesus não seria filho de David, já que não seria filho de José.

Segundo: O trono de David e sua geração já havia sido cancelado pelo Criador, e o tal Gabriel nada sabia sobre isso.

Agora vamos a outra mancada do tal anjo, mas vamos aliviar um pouco, porque na verdade esta mancada pertenceu a "Anjos" mais modernos, portanto deixemos o Gabriel fora disso.

Estou me referindo ao "Espirito Santo" e "chamado filho de Deus".
Conforme já foi explicado, este espirito santo, como também filho de Deus, foram normas Romanas, ou seja decretos Romanos, e isto somente aconteceu após o século três, quando o Jesus Cristo foi criado.

Portanto este texto de Lucas é refugo, não serve pra nada, apenas lixo religioso.

Sendo Jesus filho de um decreto romano (espírito santo), jamais poderia ser filho de José, daí, se o trono de David não houvesse sido cancelado, mesmo assim este "Jesus" não teria direito ao mesmo.
Jesus do novo testamento não tem histórico

Assim como a cidade de Nazaré também não tinha, porque não existia, seu histórico passou a existir após o concilio de Nicéia, quando ela foi construida. Porém o jesus não tem, o que relata sobre é apenas este novo testamento religioso, o Jesus é uma lenda.

Os tais discipulos são virtuais, usaram nome de assassinos da seita Zelote como dicípulos, está escrito, basta ler. Acredito que diante das descobertas, no futuro poderão modificar este novo testamento, e as pessoas não irão perceber.

A maria deste novo testamento, tambem não tem histório, como José também não tem, apenas figurantes inventados para compor a novela novo testamento.
Quem voltar ao passado, vai verificar segundo os escritos antigos, que a historia foi escrita pelo Hebreus (Judeus) cuja lei teria sido dada a eles.
Quem criou ou escreveu este novo testamento? foram os Judeus? Não, estavam dispersos e perseguidos.
Na verdade eles fundaram uma nova religião que se chamou cristianismo, inventaram um falso Messias que teria sido crucificado a pedido dos Judeus, motivo, o Jesus dizia ser Rei dos Judeus, veja o trecho:

João 19:12
Desde então Pilatos procurava soltá-lo, mas os judeus clamavam, dizendo: Se soltas este, não és amigo de César; qualquer que se faz rei é contra César.
Este verso é uma das maiores piadas deste novo testamento, totalmente sem sentido, analizemos:

1- Judeu na época era um povo escravizado pelos Romanos, aonde eram obrigados a pagar imposto e ficar quieto. Além do templo que eles consideravam lugar sagrado ter sido violado pelos Romanos.
Eles não gostavam dos Romanos, por isso houve varias revoltas.

2- Os Judeus sabiam que o titulo de Rei era concedido pelos Romanos, o próprio Antipas tentou este título mas conseguiu, chegou a ir a Roma em busca deste titulo.

3 - O que os Judeus queriam, é que aparecesse alguém que enfrentasse os Romanos, portanto eles iriam dar apoio, e não ficar ao lado do inimigo.

4- Os Romanos tinham crucificados milhares de Judeus provocando a ira deles, acham que pediriam a Pilatos para crucificar mais um dos seus?

Como pode um povo o aplaudiu dias ou horas atrás, mudar de idéia assim tão rápido?

Sabe o que os Romanos fariam se o tal Jesus dizesse ser rei dos Judeus? Eles iriam rir da piada.

Os Romanos não crucificavam ninguém por motivos religiosos, nem mesmo eles tinham um deus próprio, adoravam o deus dos outros. Poderia aparecer quantos fosse se dizendo ser rei dos Judeus ou querendo ser, quem decidia sobre tal promoção eram eles.
Eles crucificavam por motivo de revolta.
Os Herodianos eram como uma espécie de terceirizados de Roma, não podiam tomar decisão trágica. Para que alguem fosse crucificado, era necessário que Roma autorizasse. O próprio Pilatos perseguiu um grupo de Judeus matando alguns, Roma tomou conhecimento, tirou ele do comando para que fosse dar explicação de seu ato. Isto ja prova a farsa deste novo testamento em relaçao o suposto julgamento.

Agora vamos de novo supor, que este Jesus fosse o filho verdadeiro de Mariamne, que era irão de Marta e Lázaro.

4 - Pilatos nunca o condenaria, muito menos crucificar.

5 - Nem tão pouco Antipas

6 - Judeus? estes mesmo que não tavam nem aí

O filho de Mariamne não era qualquer um, era um Herodiano, se cometesse crime politico (Revolta contra Roma), seria julgado.

Segundo a Lei romana em um tribunal, tendo o direito de contar com o apoio de um defensor.

Os filhos de Herodes por exemplo, foi julgado em Roma, uma vez condenado, Herodes mandou executá-los.

Portanto o filho de Mariamne não era Judeu, todos conheciam quem era o Filho de Mariamne, que era irmã de Marta e Lázaro. Realmente ele foi relacionado para ser Rei sobre os Judeus, e não Rei dos Judeus, porém não foi.

Mariamne, era filha de um Sumo sacerdote saduceu com Cleopatra de Jerusalém, natural de Alexandria, se casou com 14 anos.

Jesus Cristo nunca existiu, é mais uma lenda criada basedo em Horus, Krishna e Mitra, cada povo adora a sua lenda.


Os Romanos transformou seus escritos num suposto “livro sagrado”, e reciclou as lendas mitológicas de Hórus, Mitra, Krishna, e criou outra lenda: “Jesus Cristo”. A historia destas tres lendas, é idêntica a lenda Jesus Cristo.

Deveriam tirar um tempo para estudar sobre o cristianismo. Tanto o catolicismo, como o protestantismo, eram um bando de assassinos. Neste tempos atuais, o catolicismo é santidade, e o protestantismo também usando uma capa chamado evangelico, gospel..etc.

Quem acha que foram os "discípulos" os autores deste novo testamento, se engana, não houve discípulos, são virtuais. Os nome dos discipulos escolhidos pelos religiosos, alguns deles eram nomes dos que pertenciam a seita Sicários, uma seita assassina, que na época era considerada a quarta seita.

Outra: Paulo, cujo nome era Shaul, seu histórico apresentado neste novo testamento como apóstolo não existe.

Porém ele existiu, tem histórico, assim como Pilatos, Herodes, Julio Cesar, Constantino, Princesa Isabel...etc


A “Matança dos inocentes” relatada apenas por Mateus em 2:16, não passa de um marketing, onde a lenda de Krishna foi misturada com a profecia em Jeremias, no capítulo 31:15. (Que alias nada tem a ver)

São ficções que foram infiltradas nos Evangelhos com a finalidade de convencer os iludidos de que Jesus teria existido.

Não existe registro histórico sobre tal matança, ou alguma evidência arqueológica registrada.

Herodes não ordenou nenhuma “matança das crianças”, matou sim, seus próprios familiares que o traiu, aonde me parece que Mariamne perdeu a vida.

Portanto esta “matança” bíblica foi plagiada da “matança” realizada pelo Rei Kansa, quando soube do nascimento de Krishna.

"Krishna estava profetizado que seria rei de Madura, cujo trono ocupava o tirano Kamsa, e ao saber que havia nascido um filho no seio da família profetizada e não sabendo o ponto fixo de seu nascimento, ordenou a matança de todos os filhos recém-nascidos até dois anos de idade.
Mas uma "voz celestial" avisou a Nanda, o pai adotivo de Krishna, para que ele fugisse através do Rio Jumna, levando o recém nascido Krishna".

Tal “matança” também não consta na biografia do Rei Herodes, nos documentos hebreus, nos documentos romanos, e nos relatos feitos por Filóstrato, (o biógrafo de Herodes).

E outra, se Herodes fizesse isto, seria chamado a Roma para prestar exclarecimento, assim quando ele matou seu cunhado e foi obrigado a ser explicar com Marco Antonio.

Como também o faraó, segundo a sua crença, ele perderia a salvação se mandasse matar os filhos dos "Hebreus", como escreveram na biblia.

Não se iludam, religião sempre foi lenda e continua, só que cada uma a seu tempo, as atuais estão sostificadas. Somente teu Criador, é o Unico, que maioria cega pela religião, não vê.

Historiadores que viveram na época do jesus


O que escreveram sobre Jesus:

Filon de Alexandria (10 a.C - 50 d.C) Nada
Plínio, o Velho (23-79 d.C) Nada
Petrônio (27- 66 d.C) Nada
Paterculus (19 a.C – 31 d.C) Nada
Apolônio de Thyana (01-80 d.C) Nada
Sílio Itálico (25 – 101 d.C) Nada
Quinto Cúrcio (10 a.C - 54 d.C) Nada
Columella (Lucius Moderatus) (04 – 70 d.C) Nada

Não posso afirmar com 100% certesa, porem tudo indica que Mariamne não chegou ao ano 1, Herodes não perdoaria, matou sua segunda esposa que foi acusada de traição, matou seu cunhado porque se tornou sacerdote e apoiava os Judeus, matou seus próprios filhos, deixaria mariamne livre?
Portanto a tal fuga para o Egito é outra farsa.

Documentos que sumiram, outros adulterados, nomes trocados, dificulta o rastreamento.

Não sei porque os escritos de Josefo ainda estão disponiveis, mesmo com algumas adulterações é facil de refutar.

Esta adulteração sobre o cristo no livro de Josefo, foi realizada por cegos que se esqueceu do futuro

Lembre-se: "Quem controla o presente, controla o futuro de quem no presente não sabe controlar o passado".

Depois de pesquisar por mais de 10 anos os textos bíblicos, o Pastor Hagenston verificou que a Bíblia está infestada de erros, repleta de fraudes, tem falsas promessas; vários trechos da Bíblia têm diferenças irreconciliáveis; são falsificações, ou foram escritos com a intenção de causar contendas.

Hagenston explicou que a primeira menção ao nascimento virginal de Jesus foi introduzida no evangelho após o século III.

Sendo que o Paulo apenas escreveu que Jesus “era descendente de David segundo a carne”; e não que Jesus teria nascido por intermédio de alguma virgem, que seria fecundada pelo Espírito Santo. Nos escritos do Paulo não há referência ao suposto nascimento virginal de Jesus, o que é estranho por ser um fato "importante".

[ Paulo nunca poderia se referir ao espirito santo, em sua época não existia, Roma somente criou praticamente no século IV]

Tanto o Paulo como os tais "discípulos" que conviveram com o suposto Jesus nunca mostraram ter conhecimento da divina natividade de Jesus.

Algumas cartas atribuídas a Paulo foram escritas por pessoas que mentiram sobre o que o "apóstolo" “escreveu”; as falsificações mais evidentes estão nas chamadas “Epístolas Pastorais 01 e 02 do Timóteo, e do Tito.

Para Hagenston é uma ironia que o cristianismo tenha se tornado uma religião para todos, até porque os ensinamentos de "Jesus" sempre se destinou aos judeus, e não aos gentios; e Jesus deixou claro que não pretendia oferecer nada a esse tipo de pessoa.

Veja que no dialogo com a mulher Cananéia ele chama sua família de cachorro. Por isso os religiosos inventaram que Paulo foi o apostolo dos gentios.

Em Mateus 10:5 Jesus dá ordem firme aos seus "discípulos): “Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis na Cidade de samaritanos”. O tal Jesus nunca quis falar aos gentios, e os seus ensinamentos sempre se destinaram apenas aos judeus

As lendas de Horus e Krishna, Mitra, influenciadas pela crucificação dos "Messias:" Simão de Peréia, Yeshua Ben Pandira, Yeshua da Galileia, teria feito com que a crença no deus Sol invictus se alastrasse entre os Romanos, aonde outro suposto "Messias" teve a sua historia escrita por Roma.

A teóloga Elaina Pagels afirmou que o Evangelho de São João era um Evangelho gnóstico, mas que terminou sendo transformado num “Evangelho Canônico”

Foi o Bispo de Hierápolis Abércio Marcelo (120- 192), quem propôs que um dos Evangelhos sinópticos fosse considerado como tendo sido escrito por Mateus; e quem primeiro remodelou o “Evangelho de Mateus” ao gosto da Ortodoxia cristã.

Após os primeiros séculos; observando que faltava algo para que o povo acreditasse na lenda de Jesus; para alavancar a popularidade de Cristo, e inspirado nas lendas míticas de outras culturas; o Jerônimo de Strídon (331 a 420), incluiu a Ressurreição de Jesus no suposto Evangelho de Marcos; e a lenda de que “quando jesus ressuscitou defuntos reviveram e sairam de suas sepulturas".

Será que um fato deste não iria chamar atenção de varios historiadores que viveram na época? Não seria um fato inedito? Porque somente a máfia criadora do novo testamento sabe disso?

O Novo Testamento é a versão que Jerônimo e seus ajudantes selecionaram, divulgaram, e ao terminar “selaram”, com a "ameaça" de que “Ninguém ouse acrescentar ou diminuir o que foi revelado a respeito de Jesus o Cristo’.

Em 178 O escritor Celso afirmou que a vida de Jesus seria uma fraude.

Em 321 Constantino determinou que as profecias sobre o Deus Sol fossem ensinadas ao povo, e que todos descansem no domingo, o venerável dia do Sol.

Em 326 por ordem de Constantino, o “Novo Testamento” (que virou o Codex Vaticanus), começou ser escrito por Eusébio de Cesaréia durante o Concílio de Nicéia, mas só ficou apresentável no Concílio Geral de Cartago em 397

Em 1864, o crítico de Tübingen, F. C. Baur provou que as Epístolas são anteriores aos Evangelhos, e que o Evangelho atribuído a Mateus foi escrito cerca de três gerações depois da suposta crucificação, por alguém que viveu em Antioquia na Síria, teria escrito no grego Kôine, e não no grego clássico, e que teria escrito em aproximadamente após o I século.

Ano -457 , Esdras (escritor Moisés), teria escrito os escritos antigos (Livro II Esdras).

Em 1524 Lutero criou a Bíblia dos protestantes.

Em 1250 O Cardeal Hugo de Sancto Caro dividiu a Bíblia em Capítulos.

Em 1189 Robert Stephen Langton dividiu a Bíblia em 31.173 Versículos.

Foram realizados 02 Cânones do Antigo Testamento:

O Alexandrino, que foi chamado de Septuaginta, realizado por volta do ano -270 em Alexandria.

E o “Concílio de Jâmnia”, que foi realizado no Sul da Palestina,no século I

Sendo que vários livros escritos antes do “Concílio de Jâmnia”, são posteriores ao Sínodo de Jâmnia (ou Jabnes), que foi liderado pelo rabino Yochanan Bem Zakai.

Jesus Cristo nunca existiu, não passa de um plágio, na Biblioteca de Nag Hammadi, como nos 900 textos dos “Pergaminhos do Mar morto” (ou de Qumran), que relatam os principais fatos ocorridos na Palestina, de 225 a.C. ao ano 65 d.C., não existe referências a “Jesus Cristo”, nunca foi mencionado.

E ficaria provado que na percepção dos escritores da época que Jesus NÃO EXISTIU, ou foi tão sem importância para os rumos da política, da economia e da fé local, que nem chegou a ser mencionado.

Mas que hoje é usado pelos cristãos com o propósito deliberado de engrandecer, prestigiar, e fingir que teria existido o mitológico “Deus humano” sem vontade própria, chamado “Jesus Cristo”.

O israelita Israel Knohl, que foi Presidente do Departamento Bíblico da Universidade Hebraica de Jerusalém e professor convidado nas universidades de Berkeley e de Stanford, no livro "The Messiah Before Jesus" (O Messias antes de Jesus).
Com base em antigos pergaminhos, diz que, próximo ao ano -4, houve um líder religioso chamado “Menahem, o Essênio”, que foi estacado; e teria passado por situações semelhantes as que ocasionaram a mitológica execução de Jesus o Cristo.

Pois Jesus Cristo é só um mito religioso que foi fabricado com a reunião de diversos acontecimentos traumáticos, e que hoje é endeusado pelos mais crédulos, ou religiosos fundamentalistas.

Os Essênios eram uma seita judaica entre -200 a 100. E que era um grupo fechado, coeso e de vida ascética. Os essênios tinham um "Mestre", cujo nome quem pronunciasse era punido com a morte. Há cerca de dois mil anos, milhares de judeus se chamavam “YESUS”, inclusive o fundador dos essênios, que foi estacado em 80 a.C.

Este vários “ensinamentos” que o suposto Jesus de Nazaré “ensinou”, na realidade teriam sido ditos quase cem anos antes, pelo Jesus dos Essênios, porém invertido.

Em 19 de outubro de 2013, Joseph Atwill, um teólogo americano especializado na Bíblia, ao apresentar no Covert Messiah, a teoria de que o Novo Testamento (e conseqüentemente a história de Jesus Cristo), seria um mito criado pelos romanos, Chocou os religiosos participantes de um simpósio em Londres, dedicado a compreender com mais detalhes como teria sido a vida do Arquétipo Cristo.


Concluindo

1- Jesus tem um histórico? Nenhum, ele não chamou atenção de varios historiadores que viveram em seu tempo. Historiadores que poderiam ter conversado com ele, porém nada relataram a respeito Porque? Nunca existiu

2- Os escritos de Flavio Josefo que nasceu a partir do ano 37, sofreu adulteração de interesseiros ligados ao cristianismo

Se historiadores que estavam na época do jesus nada dizeram, imagine Flavio que nasceu anos mais tarde.

Estas adulterações são fáceis de refutar, a linguagem é do seculo III em diante.

Como pode Flavio Josefo escrever sobre um cristo que ainda iria ser criado no século III por Constantino.

Ainda por cima Josefo era um judeu, porque escreveria sobre um falso messias romano? Não tem sentido.

3 - Paulo tem histórico? Tem

4 - Os discípulos tem histórico? Neste novo testamento os dicípulos são virtuais no sentido enredo

porém existiram, tem histórico, mas a profissão deles era outra.

5 - Mariamne e seu filho tem histórico? Tem, mas ela não é a tal maria do novo testamento.

Histórico, é aquilo que dá testemunho que você existe, exemplo: certidão, indentidade,cpf...etc

No Caso do jesus cristo como ele foi inventado e transportado para o papel, seu histórico é nulo.


Não foi encontrado nenhum escrito ou histórico religioso compilado entre o início do primeiro século e inicio do século IV, nenhuma referência a Jesus Cristo.

Esta confirmação vem de Frédéric Farrar (1831-1903) do Trinity College, Universidade de Cambridge:

"É surpreendente que a história não ter sequer embalsamado para nós que a verdadeira ou definido, ou quaisquer circunstâncias na vida do Salvador da humanidade, não há nenhuma declaração na história que diga que alguem viu Jesus ou tenha falado com ele.

Nada na história é mais surpreendente do que o silêncio dos escritores contemporâneos sobre os acontecimentos narrados nos quatro Evangelhos"
(A Vida de Cristo , Frédéric W. Farrar, Cassell, Londres, 1874)

Esta situação decorre de um conflito entre história e narrativa do Novo Testamento. Dr. Tischendorf fez este comentário:

"Devemos admitir francamente que não temos nenhuma fonte de informação sobre a vida de Jesus Cristo, nos escritos eclesiásticos reunidos durante o quarto século."

(Codex Sinaiticus, Dr. Constantin von Tischendorf, Biblioteca Britânica, em Londres)

Há uma explicação para as centenas de anos de silêncio:

A estrutura do cristianismo não começou até após o primeiro trimestre do século IV, daí, o Papa Leão X (d. 1521) ter chamado o Cristo de uma 'fábula " (Cardeal Bembo: Suas cartas ..., op cit.).

Mesmo sem provas arqueólogo incentiva a crença no inexistente Jesus.

Gideon Avni, diretor da divisão arqueológica da AAI:

“O essencial para nós é poder compreender muito especificamente o modo de vida da época de Jesus, do nascimento até a morte”, ressaltou o arqueólogo.

Ao falar sobre a pessoa de Cristo, Avni ressalta disse que não há razão para duvidar que Jesus tenha existido somente por que os arqueólogos não ENCONTRARAM PROVAS FÍSICAS SOBRE A SUA PASSAGEM PELO MUNDO.

[ Quer dizer, vale a mentira escrita pelos religiosos]

Disse que há registros sobre ele e sua influência (Qual deles?), mas muitos historiadores rejeitam os relatos bíblicos como fatos, por isso acreditam que não sejam o suficiente.

Yisca Harani, uma estudiosa israelense do cristianismo, disse ao Times of Israel que a falta de evidência física sobre Jesus é um “mistério trivial”.

Religião só tem o nome, na verdade não passa de uma politica, o povo adora uma politica.

// Outros dados poderão ser inseridos mais tarde //

Comentários